Bem vindo ao site pauloferreira.pt. Esta página e todos os seus conteúdos são propriedade de Paulo Ferreira. Encontrará temas relacionados com a sua actividade profissional, nomeadamente a informática, o AutoCAD, o Revit, o Civil 3D ou o 3ds max, a fotografia e o timelapse.

Autodesk Certified Professional AutoCAD 2013

Escrito por Paulo Ferreira. Publicado em Profissional

AutoCAD 2013 Certified Professional RGBApós alguns anos de espera, para poder realizar um dos meus sonhos na área do AutoCAD, nomeadamente a obtenção de uma certificação dada pela Autodesk, finalmente consegui concretizar este desejo. O meu agradecimento á Autodesk Portugal (através da Tech Data) que me indicaram os locais onde poderia obter esta certificação e em especial à EDICAD em Coimbra que me conseguiram incluir numa sala de realização dos exames de certificação. O meu muito obrigado pela forma como fui recebido nas instalações (excelentemente equipadas) no Parque Industrial de Taveiro. Foi um dia onde houve necessidade de concentração máxima e extremamente exigente ao nível das questões colocadas no exame (até porque era a 1ª vez que este tipo de exames eram facultados em Portugal e havia uma grande ansiedade, relativamente aos conteúdos das questões em Inglês). Contudo e uma vez terminadas as cinco horas de exame (entre pausas pois a duração do exame era de 2 horas), e após saber o resultado obtido (86% de um mínimo exigido de 74%), acho que valeu a pena! Entendo que se trata de uma mais valia, quer para mim, quer para a entidade patronal uma vez que a certificação tem o valor que a Autodesk incute nos profissionais que usam o seu sotware diáriamente.

Espionagem Industrial

Escrito por Paulo Ferreira. Publicado em Profissional

Partilha de ficheirosNos dias de hoje, a maioria de nós tem aderido à modalidade de partilha e sincronia de ficheiros em diferentes dispositivos via internet, sem qualquer reticência no que conserne à guarda de dados pessoais, ou mesmo profissionais. É um facto que estas formas que agora usamos para enviar um ficheiro a um amigo ou colega de profissão, ou mesmo para um colaborador do local de trabalho, são evidentemente bastante intuitivas e fáceis de usar. Contudo e porque surgiu recentemente na minha área de trabalho (AutoCAD) uma noticia que dava conta de um virus em código "lisp" e que enviava ficheiros *dwg via email para um endereço (ao que parece na China) a partir de alguns países latinos (onde não havia bloqueio da porta 25 no ISP), rapidamente dei por mim a pensar em espionagem industrial. Ora, se todos nós usamos (sem olhar a meios e sem medir as consequências do alojamento desses dados em servidores internacionais), certamente teremos razões para questionar o que fazem com esses dados (por exemplo, na minha área, ficheiros *dwg) onde na maioria das vezes são usadas técnicas construtivas particulares de projecto para projecto e muitas das vezes até, soluções construtivas inovadoras. Pessoalmente tenho uma opinião relativamente a estes serviços de alojamento de dados gratuitamente e outros onde se pede até quantias monetárias para aumentar a capacidade, que gostaria de dar a conhecer e sobre a qual lanço algumas questões, para análise individual de quem lê este artigo:

Não seria bem melhor, se todos aqueles que alojam ficheiros nos servidores da especialidade (serviços que são muito populares e que não necessito de dizer o nome), recorressem a formas de distribuição alternativas, como por exemplo, via ftp (funcionalidade bastante usada e com largos anos de uso e experência), ou outras, até porque a maioria das empresas possui domínios próprios? Para quê investir em firewalls e soluções de bloqueio à rede nos servidores empresariais extremamente dispendiosas, de tal forma que na maioria das vezes nos bloqueamos a nós próprios, se por outro lado estamos a enviar as nossas formas de trabalho, as nossas soluções de projecto, os nossos dados pessoais, as nossas propostas para concursos, os nosso métodos de trabalho, o nosso valor acrescentado e até o nosso conhecimento ao nível da investigação, para servidores externos em países que não sabemos quais são, nem o que fazem com esses dados?

Este arttigo retrata meramente a minha opinião pessoal sobre este assunto.