Bem vindo ao site pauloferreira.pt. Encontrará aqui alguns temas relacionados com a sua atividade profissional. Divirta-se!

BIM - Um processo

Escrito por Paulo Ferreira. Publicado em Artigos

De certeza que conhece ou já ouviu falar do Building Information Modeling (BIM). 
A maioria dos profissionais que trabalha direta ou indiretamente nas áreas de arquitetura e engenharia, de certeza que conhecem ou já ouviram falar do Building Information Modeling (BIM). 
De acordo com a Autodesk, "o BIM é um processo baseado num modelo inteligente que oferece uma visão para ajudar a planear, projetar, construir e gerir edifícios e infra-estruturas". Mas quando se fala do BIM, a maioria das pessoas pensa erradamente, que se está a referir a software como o Autodesk Revit,  AutoCAD Civil 3D, Navisworks ou outro produto relacionado com estas áreas. Pessoalmente conheço muito bem o Civil 3D e o Revit, pois trabalhei durante alguns anos com estes "softwares", bem como com o AutoCAD (mais de 18 anos).
Pese embora o facto de estas serem as ferramentas mais utilizadas no processo BIM, não são as únicas ferramentas disponíveis.
A maioria dos profissinais mais novos, não conhece ferramentas de modelação 3D baseadas em AutoCAD, AutoCAD Architecture, AutoCAD MEP e mesmo de outros fabricantes.
Porque os fabricantes têm interesses comerciais, grande parte dos novos técnicos tem uma ideia errada acerca do processo.
Facto muito controverso, está relacionado com a questão da exportação para *.dwg de forma a haver compatibilidade entre os diversos membros da equipa de projeto. 
Esta é uma questão que me leva a levantar a seguinte dúvida:
É mesmo necessário que o processo BIM, seja sempre representado em 3D? E se por exemplo tiver um tubo que se estende por várias centenas de metros, ou mesmo Kms? Como por exemplo no Civil 3D? E já agora, nos que diz respeito aos detalhes, fará sentido representar-se a informação bidimensional (2D)?  Às vezes, faz mais sentido representar os dados através de esquemas.
 
Um bom exemplo, é o Revit MEP, que utiliza peças de fabricação do AutoCAD MEP, através de uma abordagem mista, para reduzir ainda mais a ponte entre o BIM baseado em AutoCAD (sim! Leu bem! BIM baseado em AutoCAD!) e aplicações como por exemplo o Revit. Outro método que é largamente utilizado na integração de modelos BIM, é o próprio formato .*dwg.
Assim sendo, podemos dizer que o AutoCAD e o seu ficheiro nativo *.dwg ainda é e continuará a ser uma escolha natural, uma vez que é o mais compatível com aplicações externas. 
Embora o Revit possa permitir a exportação diretamente para Navisworks via formato *.nwc, a maioria dos projetos também exigem um companheiro *.dwg para que possam fazer referências a diferentes tipos de abordagens.
 
É uma postura inteligente, manter-se o formato familiar do mundialmente conhecido AutoCAD, para poder utilizá-lo como uma base comum durante a transição para o processo BIM.
Podemos então falar sobre o papel do AutoCAD nas tendências da arquitectura ou mesmo engenharia e do futuro mundo do BIM. É pois evidente que este é um momento de transição para este tipo de indústria e que é completamente aceitável, haver um pouco de ambos os modelos: CAD e BIM.
Afinal o AutoCAD é onde tudo começou e seria muito difícil imaginar não ter AutoCAD no mundo do BIM. Existe algum técnico que utiliza o Revit diariamente, que não tenha instalado no seu pc, o software AutoCAD? A própria Autodesk junta na sua coleção (AEC) os vários "softwares", de forma a que os utilizadores possam tirar o máximo partido deles.
Nunca nos podemos esquecer que o facto de sermos ou não bem sucedidos nos nossos projetos, se deve ao facto de encontrar o melhor uso para todas as ferramentas que se enconram á nossa disposição.

Fonte: "Dat Lien" in "Autodesk User Group International, Inc".