Terceiro “Óscar” do documentário independente

Depois de “Nordlys” e de “Patagónia”, “Aotearoa – We Are All Made Of Stars” foi também distinguido com um “Óscar dos documentários independentes” pelo conceituado festival “Hollywood International Independent Documentary Awards” em Los Angeles . O “prémio de excelência” atribuído ao mais recente documentário de Paulo Ferreira, faz com que o fotógrafo português arrecade, pelo terceiro ano consecutivo, um troféu que é referência mundial nos diversos festivais internacionais de cinema independente.

Este terceiro “Óscar” do documentário independente de Paulo Ferreira, que será entregue a 23 de Março em Los Angeles nos famosos Raleigh Studios na Hollywood Blvd, foi atribuído ao produtor português pelo trabalho “Aotearoa – We Are All Made of Stars”. Trata-se de um filme rodado na Nova Zelândia que aborda a atual problemática ambiental na perspetiva das crenças do povo maori.

O povo maori acredita que as “glowworms” são os espíritos dos seus antepassados que protegem os elementos essenciais à vida. Respeitando esse pensamento, Paulo Ferreira retratou o facto no seu documentário curto. Para isso recorreu à técnica de timelapse, para registar o movimento subtil das “glowworms” no interior de cavernas da Nova Zelândia. Pretende assim consciencializar as pessoas para a atual problemática ambiental. Afinal de contas, esta é a nossa única casa.

O documentário, com cerca de 10 minutos e 30 segundos, foi apresentado pela primeira vez na Casa de Montezelo, em Fânzeres, Gondomar, numa cerimónia aberta a convidados especiais e patrocinadores. Este filme ainda não é do conhecimento público, mas já começa a “dar nas vistas” a nível internacional.

Aotearoa, Documentário curto, Nova Zelândia, Óscar, Paulo Ferreira, Prémio