Fin De Sendero Del Glaciar

Sendero Del Glaciar
Sendero Del Glaciar

Ao longe, o canal de Beagle e a ilha de Navarino, no Chile. Que visão extraordinária, um quadro natural a merecer contemplação.

À saída de Ushuaia a tarde estava amena, mas a aproximação ao glaciar fazia-se notar amiúde no arrefecimento do ar. A chegado ao topo da subida havia terminado. Podia agora respirar bem fundo e aliviar a pressão causada pelo esforço feito. A primeira etapa estava ultrapassada. Depois de atravessar uma pequena ponte de madeira que levava ao lado contrário do riacho que resulta do degelo da neve na montanha, o trilho era agora bem mais suave embora bastante lamacento. Foi aí que acelerei o passo, sempre com os olhos postos no cume da montanha que estava bem na minha frente e de onde já era possível ver o glaciar.

O caminho serpenteava ao longo do riacho e aqui ou ali eu ia fazendo fotografias, para alguns quilómetros à frente a planície dar lugar à subida cujo trilho estava bem delineado na encosta da montanha. Havia um contraste muito grande entre a rocha cinzenta e o trilho definido pela constante presença do Homem. Fiquei com a perfeita noção da distância que ainda faltava percorrer. A subida era demasiado dura e eu carregava todo o equipamento às costas, mas lá diz o ditado: quem corre por gosto não cansa.

O deslumbre da paisagem era motivador. Duas horas após o início estava no fim do trilho: Fin De Sendero Del Glaciar, inscrevia-se numa placa informativa. Bem por cima de mim estava o enorme glaciar. Imponente, anunciando-se ao Mundo de maneira imperial pelo som aterrador surgido do atrito causado pelo seu movimento.

Posicionei o tripé ao nível do solo, pois o vento era bastante forte e derrubava-o sempre que o levantava à altura máxima; ajustada a câmera, agarrei-me a ele e ali fiquei durante longos cinco minutos, aninhado.

Alterações climáticas, Ambiente, Patagónia, Paulo Ferreira, Sendero Del Glaciar